domingo, 7 de maio de 2017

Dia das Mães



Certo dia, quando tinha cerca de 8 a 10 anos, cheguei a casa irritado porque me saí mal numa brincadeira com os amigos. Minha mãe estava diante da máquina de costura – ela não fazia isso por profissão, muito embora sempre costurasse magnificamente bem – e, ao ver-me daquele jeito, perguntou-me sobre o que havia acontecido. Respondi-lhe cheio de raiva o que me ocorreu. Ela imediatamente deixou o que estava fazendo, deu-me um carinhoso abraço e me pediu para não dar importância àquela contrariedade. Se fosse preciso, ela mesma me ajudaria naquele assunto. Ainda persiste indelével na memória – décadas após – a ternura e a segurança que irradiavam daquele afago.
De muitas maneiras e sob vários aspectos poderíamos considerar a importância da mãe para o saudável desenvolvimento dos filhos. Gostaríamos de nos deter, porém, nesta oportunidade, em um que se tem se mostrado especialmente relevante nestes conturbados tempos em que vivemos: a disponibilidade.
O trabalho da mulher fora do lar tem se mostrado muito bom para a sociedade. Elas galgaram postos com competência, inteligência e dedicação. Já são imprescindíveis nas funções que desempenham. Mas se a mulher está hoje inserida no mercado de trabalho e é insubstituível nesse espaço que conquistou, uma questão que se coloca é como harmonizar isso com a maternidade, função em que é ela mais essencial ainda.
A conciliação disso nem sempre é fácil. Quem nunca observou a aflição de uma colega de trabalho que deixou o filho com febre no berçário ou em casa?
Mas se é difícil conciliar trabalho profissional e as obrigações de mãe, não lhe falta criatividade. Afinal, o amor é sempre muito inventivo. Em algumas situações, quando o trabalho permite, busca-se fazer parte dele em casa. Então as antenas ficam ligadas e, de quando em quando, pode se dar uma escapada para cobrir de afagos o pequenino que brinca por perto. Por vezes, espremem-se os horários para que sobre tempo para estar com os filhos.
Aliás, se é comprovado o quão importante é a presença da mãe para a criança, sobretudo nos primeiros anos de vida, penso que a legislação trabalhista e previdenciária deveria ser mais flexível para com elas, dando condições de passar mais tempo ao lado dos filhos. E isso não seria nenhum exagero. Afinal, é da formação dos futuros cidadãos que se estaria cuidando.
Outro fator importante nessa difícil conciliação é a cooperação dos pais. Trocar fraldas, vestir e dar mamadeira de há muito deixou de ser tarefa exclusivamente feminina. Mas mais que isso, a mãe precisa sentir-se amparada pelo marido. Trata-se de compreender o quão difícil é para ela dedicar-se ao trabalho profissional e, ao mesmo tempo, desempenhar aquelas tarefas que por natureza lhe cabe com exclusividade: ser mãe. E nesse intento, é muito benvindo a ela que o marido também assuma as tarefas do lar e o cuidado com os filhos.
Mas há também aquelas mulheres que, por libérrima escolha, optam por ser mães por profissão, ou seja, não desempenham um trabalho fora do lar, ao menos por alguns anos das suas vidas, em especial quando os filhos ainda são pequenos. Quanto a essas, penso que é uma terrível injustiça o menosprezo que sofre no meio social. Quantas ainda se envergonham ao ter de responder um simples “do lar” ao serem indagadas sobre a atividade profissional que desempenham...
A maternidade é a mais nobre função que a mulher pode exercer. Dela depende o futuro da humanidade. Com efeito, mães indiferentes, ausentes e desleixadas geram filhos inseguros, deprimidos e egoístas. Ao contrário, mães dedicadas, presentes, zelosas e disponíveis, geram filhos felizes, responsáveis e seguros de si, que serão no futuro os construtores de uma sociedade mais justa e mais humana.

domingo, 2 de abril de 2017

Filhos : ter ou não ter ?

No artigo anterior comentamos a chamada crise na Previdência Social, oportunidade em que fizemos considerações sobre os impactos que o envelhecimento da nossa população terá nessa questão. Com efeito, observamos uma acentuada queda no índice de natalidade que poderá ter inúmeros reflexos negativos em nosso País.
Apesar desse dado, é evidente que ninguém se aventuraria a ter filhos como uma forma de salvar a Previdência Social, ou mesmo para evitar graves danos à economia do País. Nossos filhos são seres humanos dotados de uma dignidade imensa, não meros agentes econômicos ou simples dados estatísticos. Mas então o que deveria nortear tão importante decisão?
Se fizermos uma rápida pesquisa na INTERNET, encontraremos inúmeros sites e matérias publicadas que vão desde 10 motivos para não ter filhos até mil razões para não tê-los. Apesar da diversidade de autores e formas de abordagem, os argumentos podem ser resumidos em três: 1- os filhos custam caro... e há até quem elabore um orçamento de quanto se haverá de dispender desde o parto até atingirem a independência econômica; 2- acabarão com a diversão ou com a liberdade com que podem “desfrutar das coisas boas da vida”; 3- vão interferir no relacionamento do casal, de modo que não poderão mais viver um para o outro. Mas será mesmo assim?
Penso que a resposta a uma indagação dessa envergadura depende de outros questionamentos ainda mais profundos, que tocam nas razões da nossa existência. Antes de responder se devemos ou não trazer novos seres ao mundo, deveríamos nos indagar com uma valente sinceridade: o que estou fazendo aqui? De onde vim? Para onde vou? Qual é o sentido dessa breve existência terrena?
É que a maternidade e a paternidade somente encontrarão o verdadeiro sentido se nos indagarmos acerca da nossa missão neste mundo. É que ser mãe e ser pai são uma verdadeira vocação. Bem por isso que a questão toca em algo que é essencial para a realização pessoal, com reflexos diretos e profundos na sociedade em que vivemos.
Tivemos a imensa alegria de conhecer o casal Josemaria Postigo e Rosa Pich. Eles formaram uma família muito grande. Foram 18 filhos. Muitos deles nasceram com problemas de saúde. Por esse motivo, o segundo filho, com apenas um ano e meio veio a falecer, quando mãe estava grávida do terceiro. Esse também faleceu um dia após o parto, quatro meses após a morte do irmão. E a filha mais velha, já adulta, faleceu há cerca de quatro anos. Apesar de tanto sofrimento, naquele lar somente se respira serenidade e alegria.
Certa vez, quando vieram de Barcelona a São Paulo para impulsionar o trabalho de orientação familiar no Brasil, durante uma conferência, alguém lhe formulou a seguinte pergunta: “Rosa, por que tantos filhos? Por que ter uma família tão numerosa no mundo de hoje?”. Fez-se um grande silêncio na plateia, ávida pela resposta. Ela, porém, com a simplicidade que lhe é tão peculiar, limitou-se a dar um beijo no rosto do marido, depois se voltou à sua interlocutora e respondeu: “É porque eu amo esse homem!”.

Noutra ocasião, enquanto os visitávamos em sua casa, uma brasileira que nos acompanhava fez a mesma pergunta. Naquela oportunidade, presenciava a conversa de uma das filhas, então pré-adolescente, com ares de rebeldia natural da idade, a quem tais assuntos não pareciam agradar muito. Mas a sábia mãe limitou a responder: “mira, qué guapa!” (veja, que linda!). A filha não conteve um sorriso de satisfação. Com gestos muito eloquentes como esses, Rosa e Chema souberam dizer ao mundo que os filhos são a personificação do amor profundo entre um homem e uma mulher.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Previdência Social e Implosão Demográfica


Circulou nas redes sociais uma análise da situação da Previdência Social no Brasil, com o que se pretende sustentar que não há fundamento para o déficit nas contas dessa instituição. Transcrevo o texto:
 “Vamos ver se a previdência é realmente deficitária. Vejamos: Salário R$ 880,00. Contribuição total INSS (patronal + empregado = 20%) R$ 176,00 mensais. 35 anos são 420 meses. Pegando-se o valor de R$ 176,00 mensais e aplicando-se o rendimento da poupança (o pior que existe!) de 0,68% e juros compostos. Total arrecadado R$ 422.784,02. Considerando-se a expectativa de vida em 75, e que em média o brasileiro se aposenta com 60 anos somente receberá a aposentadoria por 15 anos, porém, o montante acumulado é suficiente para pagar 40 anos e 3 meses de salário equivalente à contribuição, ou seja, segundo o cálculo feito 880,00 mensal, sem contar rendimentos”.
O argumento é, de fato, sedutor e aparentemente convincente. No entanto, com o devido respeito, não leva em consideração um dado fundamental: em quase todos os regimes de previdência pública são os trabalhadores da ativa que custeiam os benefícios dos aposentados e pensionistas.
As contribuições pagas pelos trabalhadores e pelos empregadores atualmente não ficarão numa poupança aguardando o momento para ser sacado por seu titular. Ao contrário, os valores pagos atualmente são utilizados para custear os benefícios agora concedidos e mantidos pela Previdência Social. Do mesmo modo, também os aposentados e pensionistas de hoje contribuíram, quando estavam na ativa, para o pagamento dos benefícios concedidos décadas atrás.
Uma vez estabelecida essa premissa, convém analisarmos alguns fatores que influenciam diretamente no problema. Refiro-me à acentuada queda na natalidade e ao aumento progressivo da expectativa de vida dos brasileiros. Não estamos a afirmar que ambos sejam problemas em si. Concretamente, tenho que a longevidade do nosso povo merece ser comemorada, em especial se for acompanhada de uma melhor qualidade de vida. Porém, é inegável que irá impactar, num futuro não muito distante, nas contas da Previdência.
Segundo dados do IBGE, a taxa de fertilidade da mulher brasileira caiu de 2,4 filhos por mulher em 2000 para 1,72 em 2015 (http://brasilemsintese.ibge.gov.br/populacao/taxas-de-fecundidade-total.html). Portanto, estamos muito aquém do nível de reposição populacional, que é de 2,1 filhos por mulher. Isso significa que a população, num determinado momento, começará a diminuir. Antes disso, porém, ocorrerá um recuo da população economicamente ativa, como consequência de um envelhecimento da população. E a consequência desses fenômenos na Previdência é evidente: menos trabalhadores da ativa terão de pagar mais aposentados e pensionistas.
Mas há, como dissemos, outro fator a considerar, que é o aumento na expectativa de vida. De 1940 a 2015, a esperança de vida no Brasil para ambos os sexos passou de 45,5 anos para 75,5 anos, o que representa um aumento de 30 anos. Esse dado, embora extremamente positivo, tem um impacto nas contas da Previdência, pois aumenta o tempo em que irão perdurar os pagamentos dos benefícios.
Ao contrário do que possa parecer, porém, não estamos com esses argumentos saindo na defesa do Governo na questão da Reforma da Previdência, até porque muitos dos seus pontos são passíveis de críticas que esperamos ver corrigidos no Congresso Nacional. O que é necessário e urgente é meditarmos sobre as consequências da acentuada queda da natalidade. Isso já traz reflexos em vários outros aspectos, como por exemplo, a proliferação de abrigos para idosos. Com efeito, é cada vez mais difícil numa sociedade de filhos únicos cuidarmos adequadamente dos nossos pais.
A questão da Previdência é apenas um alerta para uma terrível injustiça que estamos cometendo com as futuras gerações. Com efeito, fomos nós que decidimos não ter filhos e, apesar disso, estamos deixando para os poucos descendentes que tivemos uma conta enorme a ser paga.

domingo, 5 de março de 2017

Sacrifício? Para quê?


Certa vez presenciei uma conversa entre dois estudantes universitários. Estavam na cantina da faculdade, quando um recusou a oferta de um salgado, dizendo que não comia carne naquele dia, por motivo de convicção religiosa. O outro não conteve o riso e o comentário um tanto sarcástico:
- Mas em pleno século 21 você ainda acredita nisso?
O estudante que fazia aquele pequeno sacrifício não respondeu à indagação, talvez porque o amigo não estivesse com boas disposições para saber os verdadeiros motivos. Assim, com um simpático sorriso e muita naturalidade mudou de assunto. E então conversa transcorreu sobre outros temas. Falaram sobre tatuagem, academia, relacionamentos, dentre outros.
O diálogo poderia passar despercebido. Confesso ao leitor, porém, que me causou forte impressão o exemplo de fortaleza daquele estudante cristão, que aceitou com bom humor e naturalidade a crítica do colega.
Mas mais impressionante ainda, talvez seja o confronto com os demais temas tratados. O mesmo rapaz que criticava a abstinência de carne por convicções religiosas, contou os inúmeros desconfortos causados pela nova tatuagem, que tomava parte considerável do seu corpo. A paciência durante as horas de aplicação, os medicamentos e cuidados posteriores, os alimentos de que se privou para evitar reações etc. E isso sem contar as horas de academia, com disciplina e determinação, necessárias para obter e manter aquele porte físico “sarado”, como diziam.
Diante desse diálogo, agora dando asas ao pensamento, talvez ele nos remeta a um dado universal no ser humano: o sofrimento. Com efeito, já dizia Francisco Otaviano em seu poema mais célebre:
Quem passou pela vida em branca nuvem,
E em plácido repouso adormeceu;
Quem não sentiu o frio da desgraça;
Quem passou pela vida e não sofreu;
Foi espectro de homem, não foi homem —
Só passou pela vida, não viveu.
De fato, todos nós fazemos sacrifícios em maior ou menor medida nas nossas vidas. A questão que se coloca, então, é saber em quê e para quê nos sacrificamos. Para obtermos um porte físico ou modificarmos a nossa aparência? Para crescer na fé religiosa? Ou ainda para fazer o bem ao próximo?
E a resposta a tais indagações não é indiferente. Dela depende, em grande medida, a nossa realização e a nossa felicidade.
Já se afirmou que o coração humano possui uma porta projetada para abrir para fora. Se tentarmos abri-la para dentro, quanto mais esforço empreendemos nesse sentido, tanto mais a fechamos. Com essa linguagem simbólica, quer-se dizer que a nossa felicidade depende da nossa abertura solícita aos demais. Ao contrário, buscar sempre o próprio interesse egoísta é fonte de tristeza e desilusões.
Nesse contexto, ocupa lugar de relevo em nossas vidas a disposição com que nos sacrificarmos pelos demais. Uma mãe bondosa não fica todo o tempo recordando as horas de vigília e de preocupação que passou ao lado de um filho pequeno ou doente. Também um missionário, por exemplo, não conta as penas e sofrimentos que padece no cumprimento da sua missão. Ao contrário, movem-lhes uma convicção profunda e um desejo sincero de fazer o bem ao próximo.
E essa questão assume especial importância no relacionamento conjugal. É que a intensidade e a veracidade do amor entre um homem e uma mulher se constatam, em grande medida, na capacidade de se sacrificar generosamente pelo outro. Por isso, marido e mulher deveriam questionar-se, vez por outra, sobre o que se faz que agrada ou aborrece o outro.

Com isso, poderiam constatar que, com gestos simples e pequenos, como guardar os objetos de uso pessoal no lugar ou esforçar-se para sorrir apesar do cansaço, seriam como que pequenos tijolos que, ordenadamente colocados, dia após dia, constroem sob bases sólidas a felicidade do casal e dos filhos, com notória projeção na sociedade em que vivem.